Actualidade / ArtigoVolver


Santiago, 28 de xaneiro de 2008

A barbárie está em Davos
 

Gilson Caroni Filho-

Agência Carta Maior


Este ano o Forum Social Mundial será marcado por mobilizações simultâneas em todo o mundo como um contraponto ao Fórum de Davos. A luta contra a primazia do cálculo financista sobre a vida e da compreensão desta como mero apêndice do lucro é crucial para o futuro da humanidade.



  Foro Económico Mundial; clic para aumentar
O que preside Davos é um pseudo-rigorismo da matematização dos problemas sociais. Não se sabe se lhe contaram da ameaça que representa o capital orbital de US$ 3 trilhões que gravita em torno do planeta. É provável que a pressão política do FSM tenha levado lideranças governamentais e corporativas a anunciar, sem qualquer compromisso de levar a cabo, a taxação de transações financeiras e a tributação de paraísos fiscais. Mas passados três anos a proposta desapareceu de cena.
 
Estamos a poucas horas de um novo Fórum Social Mundial que será marcado, não por um encontro único, mas por mobilizações simultâneas em todo o mundo como um contraponto ao Fórum de Davos. Com certeza precisamos avançar nas discussões sobre uma nova ordem econômica e a reformulação da estrutura informativa mundial. Ainda mais quando a imprensa tenta ocultar o evento, dando a entender que houve uma “desistência” dos movimentos sociais na busca por caminhos alternativos à ordem hegemônica.

A história não caminha com a linearidade que alguns acreditam. Por vias transversas muitas previsões, acabam se confirmando. Não enquanto afirmação de um mundo acabado, síntese última, corolário dos corolários. Assim, talvez Fukuyama tenha acertado o desfecho de tramas que, durante décadas, marcaram Davos como epicentro de uma lógica destrutiva.

Se for fato que o capitalismo contemporâneo consolidou-se pela ação de forças e condições materiais identificáveis, temos um sistema passível de intervenção. Se, tal como as formações que lhe antecederam, o mundo do capital foi formado em circunstâncias históricas determinadas, sua superação não só é factível como desejável. Em suma, o lema "um outro mundo é possível" está longe de prenunciar que cinco mil organizações, redes e movimentos de 150 países tenham ido, há dois anos, a Porto Alegre participar de uma festiva "feira ideológica", como destacou a grande imprensa na ocasião. Um happening dos que não agregam valor e são incapazes de avançar além de protestos inconseqüentes. Essa foi a visão que deu a tônica da cobertura.

A necessidade, destacada por Emir Sader, em 2005, de buscar formulações propositivas, deixando para trás "concepções liberais de ONGs que tratam de restringir a luta por uma nova era ao que chamam de "sociedade civil" continua atual. Outro ponto que merece destaque é a importância de se desvencilhar da armadilha ideológica que propõe articulação superestrutural sem intervenção nas relações de dominação. Não há dúvida que é hora de transformar a massa crítica acumulada em uma teoria geral do capitalismo contemporâneo que se pretende combater.

Não se trata de, como destacou, à época, o sociólogo belga François Houtart, fazer do Fórum Social Mundial uma "Quinta Internacional", mas transformá-lo no norte de ação para os vários tipos de atores que dele participam.

Se nos restringirmos, pelos limites exigidos para a publicação desse artigo, à América Latina, teremos um quadro esclarecedor da necessidade de um pensamento crítico que corresponda às exigências da realidade histórico-social do subcontinente. Após duas décadas de neoliberalismo, presenciamos, até bem pouco tempo, economias estancadas pela reconversão de suas estruturas produtivas, taxas recordes de desemprego e a mais alta porcentagem de pobreza da história da região. Pagamentos de juros externos equivalentes a 2,4% do PIB regional superaram, por cinco anos consecutivos, os créditos obtidos.

Foi dessa desdita que surgiu o cenário contra-hegemônico e seus novos atores. Os movimentos indígenas que, em alguns países, exigiram a redefinição de Estado Nacional, os piqueteros que, face à crise argentina obtiveram adesão de segmentos médios, e o MST que, longe de se limitar a uma demanda por redistribuição de terras, continua lutando por uma nova gestão de propriedade e de governo.

São subjetivações sociais, forças emergentes ainda desprovidas da capacidade que, segundo Gramsci, definiria hegemonia: a de exercer uma direção intelectual e moral sobre o conjunto da sociedade. É para elas que o colossal conjunto de redes que compõe o FSM pode, pela articulação horizontal, fortalecer a consciência internacionalista que viabilize ganhos políticos vindouros. O que vemos hoje no Brasil, Argentina, Venezuela, Argentina, Bolívia e Equador é o embrião do que poderemos ser mais à frente.

A luta contra a primazia do cálculo financista sobre a vida e da compreensão desta como apêndice da geração de valor é crucial para o futuro da humanidade. O capital global e seu Estado hegemônico têm imperativos infinitos de expansão. A necessidade de controlar a maior quantidade possível de recursos naturais estratégicos é, juntamente com o uso indiscriminado de sua capacidade militar, a materialidade solicitada pela reprodução ampliada. Os déficits gêmeos e a desvalorização do dólar não apontam para o surgimento de novos blocos capitalistas que lhe tomariam a primazia. Não é confiável apontar no surgimento de novos centros de poder.

Uma nova ordem monetária com o euro fazendo o papel de moeda-petróleo só seria exeqüível com equilíbrio bélico. O refinanciamento da dívida estadunidense pode levar de roldão toda a economia capitalista. Portanto, não esperemos que venha da Europa, pelo menos no atual bloco histórico, qualquer resistência efetiva à sanha imperialista.

O que preside Davos é um pseudo-rigorismo da matematização dos problemas sociais. Não se sabe se lhe contaram da ameaça que representa o capital orbital de US$ 3 trilhões que gravita em torno do planeta. É provável que a pressão política do FSM tenha levado lideranças governamentais e corporativas a anunciar, sem qualquer compromisso de levar a cabo, a taxação de transações financeiras e a tributação de paraísos fiscais. Mas passados três anos a proposta desapareceu de cena.

Contudo, apesar de qualquer esforço cênico-diplomático, a ponte entre os dois fóruns é historicamente inviável. Não há como unir um "outro mundo possível" com a terra sem sonhos do capitalismo. A sociedade fundada na lei do valor não pode mais superar a si própria. Para eles a história só pode ser escrita como barbárie. É isso que estará sendo discutido dia 26 por todos que apostam no futuro.


[Artigo tirado do sitio web de 'Agência Carta Maior',
24 de xaneiro de 2008]

 
 
As opinións vertidas nos artigos de opinión, enviados polos nosos colaboradores ou tiradas doutros meios, non teñen porque ser necesariamente compartidas pola CIG.
 
Volver

Volver ao princípio


Ir á páxina de inicio
Confederación Intersindical Galega
www.galizacig.com

ÚLTIMA REVISIÓN: 28/01/2008
cig.informatica


 

web-espello en www.galizacig.org
e
www.galizacig.net (mirrors)


Para estar ao día da actualidade sindical en Galiza, subscríbete á lista de correo da CIG e recibe puntual notificación das
novas informacións, artigos, documentos, publicacións, convenios colectivos... que ofrece a CIG na sua páxina web galizacig.com.

Apóntate en: http://www.elistas.net/lista/galizacig/alta