Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
Artigos de opinión
Soberanía para o povo traballador galego
28/07/2014Xabier P. Igrexas
Este 25 de xullo enmárcase nun contexto definido pola combinación entre a crise sistémica do capitalismo e os brutais efectos das políticas de r...
De novo o Iraque
26/06/2014Albano Nunes
De novo o Iraque. De novo um misterioso bando de «terroristas», semeando a morte e a destruição. De novo a orquestração de dramáticos apelos ...
Suplementos territoriais nos recibos eléctricos
26/06/2014Fernando Branco Parga
O Tribunal Supremo vén de sentenciar que nas peaxes do sistema eléctrico se deberían incluír os diferentes suplementos territoriais. Efectivame...
O destino do Iraque
20/06/2014Luís Carapinha
Aferrados a uma ordem económica injusta e decadente os EUA prosseguem a cavalgada de fragmentação de territórios e destruição das soberanias ...
A outra cara do Mundial de Fútbol
20/06/2014Vicenç Navarro
A gran pobreza do sector público no Brasil, xunto coas exuberantes riquezas, explica a explosión social. De aí a enorme protesta, que non é a pr...
Europa: alternativas à crise
17/06/2014Éric Toussaint
As eleições na União Europeia
16/06/2014John Catalinotto
Opinión
Nas últimas semanas, fala-se freqüentemente da “economia real” (a produção de bens). E opõe-se a ela a “economia irreal” (a especulação), de onde viria todo o mal, visto que seus agentes teriam se tornado “irresponsáveis”, “irracionais” e “predadores”. Essa distinção é, evidentemente, absurda. O capitalismo financeiro é, há cinco séculos, uma peça central do cap...
20/10/2008 Antoine Reverchon // Esquerda
A crise que vivemos corresponde também ao fim de um ciclo político, o da hegemonia americana, encetado igualmente nos anos 1970. Os Estados Unidos continuarão a ser um actor importante, mas jamais poderão reconquistar a sua posição dominante face à multiplicação dos centros de poder, com a Europa ocidental, a China, o Brasil, a Índia. Um novo poder hegemónico, se quisermos retomar o &q...
20081020_money
Em que medida a crise atual afeta as relações de poder no mundo atual? A nova relação de forças vai depender das disputas sobre quem pagará os pratos quebrados e que tipo de discurso triunfará, como interpretação da crise. Apelar ao Estado, depois de 1929, foi sempre um instrumento inclusive do liberalismo, para recompor as condições de funcionamento do mercado. Vamos ao que rea...
17/10/2008 Michel Husson
O desastre financeiro levou, na sua queda, todo o edifício ideológico dos advogados da "mundialização feliz". Estão a ser feitas constatações óbvias: a financiarização é um cancro que apodrece a vida de milhares de milhões de seres humanos e que lhes inflige uma dupla penalização. Na verdade, tudo vai ser feito para que sejam as vítimas que paguem a louça partida, e que ...
17/10/2008 Juan Gelman // Página 12
20081016_eeuu.obama
Ou o seu corremento cara ao intervencionismo militar máis aló das fronteiras de EEUU: na súa calidade de senador opúxose á invasión de Iraq, sinalou o grave erro estratéxico e moral da ocupación e atraeu a millóns de estadounidenses con ese discurso. Pero a medida que se desenvolve a campaña electoral, achégase cada vez máis ao partido da guerra. Un fito na materia foi o seu di...
17/10/2008 Manuel Mera // La Region
20081016_brasil.lula.petrobras
Estamos nun período de crise e ao mesmo tempo de transición. Unha etapa de conxuntura na que está rematando aceleradamente o mundo unipolar, do pensamento único e da globalización neoliberal, do imperialismo con selo norteamericano, e pasando a outro no que emerxen novas potencias. Entre estas hai que salientar a China e Rusia. A primeira por ser o taller industrial do mundo por excelencia, ...
cig.prensa@galizacig.com