Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
Artigos de opinión
A anulação da dívida alemã em 1953
19/08/2014Éric Toussaint
A injustiça com que o povo grego é tratado (assim como outros povos cujas autoridades seguem as recomendações da troika) deve despertar a consci...
O caso da dívida argentina
18/08/2014Prabhat Patnaik
que esta sentença faz é tornar impossível no futuro qualquer reestruturação de dívida. Mesmo que a esmagadora maioria dos credores esteja des...
Império na ofensiva
18/08/2014Igor Fuser
Na América Latina, o imperialismo se encontra em plena ofensiva para destruir o campo político progressista que tem como expressões mais importan...
O genocídio israelense e seus cúmplices prestativos
14/08/2014James Petras
A guerra total de Israel contra Gaza provocou a condenação de milhões de pessoas por todo o mundo, o maior ultraje pelos seus crimes contra a hum...
Ainda o poder do financismo
14/08/2014Paulo Kliass
A transformação ocorrida nos países do antigo socialismo e a consolidação da hegemonia do ideário neoliberal permitiram a cristalização do ...
O mito das clases medias
13/08/2014Vicenç Navarro
O poder e a finança internacional
12/08/2014José Luís Fiori
Arxentina no imperio dos voitres
08/08/2014Juan Torres López
Opinión
27/10/2008 Adrián Sotelo V.
A supremacía do capital ficticio (que non crea valor, nin plusvalía) xuntamente coa contracción das taxas de crecemento media do sistema produtivo e económico, mergullaron o capitalismo na crise máis severa que estamos padecendo. Para a maioría da humanidade, que é a clase traballadora e o proletariado todo, debe quedar moi claro que esta é unha crise estrutural, prolongada e deriva...
20081027_obama.cambio
O fenómeno Obama revela a força e a fragilidade da democracia nos EUA. A força, porque a cor da sua pele simboliza um acto dramático de inclusão e de reparação: à Casa Branca dos senhores chega um descendente de escravos, mesmo que ele pessoalmente o não seja. A fragilidade, porque dois temores assolam os que o apoiam: que seja assassinado por racistas extremistas e que a sua vitória el...
27/10/2008 Elmar Altvater
20081027_recesion
O que é que vem depois desta crise devastadora? Ao aguaceiro da New Economy em 2000 seguiu-se o boom imobiliário com as hipotecas sub-prime e os produtos financeiros aventureiros, o que possibilitou uns quantos anos de imponentes negócios que duraram até agora, até à crise financeira mais grave dos últimos 100 anos. Passaram aqueles tempos lindos de 2003, quando, orgulhosamente patri...
24/10/2008 BBC
Durante 30 anos todos os ideólogos dixeron que todo ía estar ben: o libre mercado é lóxico e produce crecemento máximo. Si, dicían, produce un pouco de desigualdade aquí e acolá, pero non importa porque tamén os pobres eran un pouco máis prósperos. Dicían que funcionaría mellor que calquera outra cousa. Agora sabemos que o que pasou é que se crearon condicións de inestabilidade eno...
24/10/2008 Rafa Diez Usabiaga // Gara
20081024_crise.capitalista
Cómpre pasarmos a unha ofensiva ideolóxica e mobilizadora. Hai que loitar non para refundar o capitalismo, como pretenden algúns, senón para avanzar nun modelo económico e social alternativo, para impulsar un cambio ao servizo da maioría social traballadora. Unha utopía que co fracaso do pensamento único aparece como necesaria e obxectivamente posíbel. Hai un ano desatouse en EEUU ...
24/10/2008 Lejeune Mirhan // Vermelho
A invasão e ocupação do Iraque completará, em março de 2009, seis longos anos. Como em janeiro do ano que vem um novo governo toma posse nos Estados Unidos – e deve ser provavelmente um Democrata, Barak Obama – a movimentação começou em todos os países árabes, mais particularmente no Iraque, governado hoje por xiitas que apóiam os EUA. Breve histórico da ocupação ...
cig.prensa@galizacig.com