Logotipo CIG Confederación Intersindical Galega - Avantar - Compostela 4/11/2011
Na V Conferencia Sindical Internacional en Solidariedade cos Traballadores e o Pobo Saharui, na que participou a CIG
Organizacións sindicais de varios continentes manifestan a súa preocupación pola situación do Sahara
Un total de 16 centrais sindicais provenientes de Angola, Brasil, Chipre, Estado español, Euskal Herria, Galiza, Francia, Italia, Portugal, Reino Unido, Sahara Occidental e Senegal,  participaron na V Conferencia Sindical Internacional en Solidariedade cos Traballadores e o Pobo Saharui que se celebrou en Lisboa os pasados 27 e 28 de outubro.

V Conferencia Sindical de Solidariedade co Sahara

A primeira Conferencia celebrouse no 1.999 nos campamentos de refuxiados saharauis en Tindouf (Alxeria). Desde entón, cada dous ou tres anos e con sede itinerante, o movemento sindical analiza a situación política, sindical, social e humana nos campamentos de refuxiados e nos territorios ocupados, tomando iniciativas que axuden axuden ao Pobo Saharaui n súa loita pola independencia.

Pouco a pouco novas centrais sindicais se veñen sumando a esta iniciativa, sendo especialmente destacábel esta quinta edición que rexistrou a incorporación á Conferencia, por primeira vez, de organizacións de Angola, Chipre, Reino Unido e o Senegal.

A Conferencia aprobou por unanimidade unha Declaración final que recolle, entre outras, a maioría das propostas realizadas pola CIG durante a súa intervención.

A sexta Conferencia realizarase cara o fin do 2013, nun lugar aínda por determinar.

ANEXO I – Texto da intervención da CIG na Conferencia

Caros camaradas,

Non esquezo que esta Conferencia Sindical está a ser realizada en Lisboa e por iso quero que o meu primeiro saúdo sexa para os traballadores e as traballadoras de Portugal que, aínda hoxe día 27, continúan con accións nas rúas, nos locais de traballo, nas institucións... nesta semana de loitas promovida pola CGTP/IN e as súas entidades filiadas.

Saúdo tamén para as entidades sindicais e sociais que apoian esta Conferencia, con especial destaque para os centrais sindicais – nomeadamente a CGTP/IN - que tomaron ao seu cargo a realización desta V Conferencia Sindical Internacional de Solidariedade cos Traballadores e o Pobo Saharaui.

Un saúdo e un abrazo, fraternos, solidarios, para a UGTSARIO, ferramenta dos traballadores e traballadoras saharauis, nos territorios ocupados, nos campamentos de refuxiados, no exilio e na diáspora.

Caros amigos, o Sahara Occidental, último e único pais africano sen descolonizar está submetido a unha ocupación de carácter colonial por parte do Reino de Marrocos. Ocupación e colonización que se da en todos os aspectos: invasión militar, confinamento das poboacións orixinais en barrios (moitas veces en proceso de marxinalización), traslado masivo de poboación marroquina para os territorios ocupados, expoliación dos recursos naturais, negación da identidade e da cultura saharaui, represión e hostigamento constante sobre as familias saharauis,  violacións dos dereitos humanos, isolamento mediante a construción de muros ofensivos...

Caros camaradas, non estamos fronte a un “conflito” entre saharauis e marroquinos, non existe a “cuestión” saharaui: hai pura e simplesmente a ocupación de un País por parte de outro, hai un ocupante e un ocupado, un colonizador e un colonizado, un invasor e un invadido, hai Marrocos e hai a República Árabe Saharui Democrática.

A ocupación do Sahara dáse nun contexto político no que o mundo árabe, considerado no seu conxunto, mostra o seu respaldo ao Reino de Marrocos. As revoltas que se deron recentemente en diversos países árabes non parece que trouxeran novidades neste posicionamento. Con tristeza, observo que a totalidade do movemento sindical árabe estivo, e continua a estar, ausente destas iniciativas sindicais internacionais de solidariedade cos traballadores e o pobo saharaui.

Estamos ante un problema político, con moitos ángulos e aristas, mas un problema de carácter político e só desde posicións políticas pode ser encarado e solucionado.

É un problema político certo, mas que necesita a aproximación desde moitos enfoques, non excluíntes senón complementarios: mediático, institucional, humanitario, sindical....

É necesaria a axuda humanitaria, claro que si. Por iso, desde o movemento sindical implementamos e colaboramos en actividades de solidariedade: programa de “Ferias en Paz”, proxectos de cooperación, campañas de recollida de materiais escolar, sanitario, alimentar...

É esta unha actividade que vai ter un importante descenso no futuro inmediato: a “crise”, que sirve para xustificar calquera medida antisocial, está sendo utilizada tamén para diminuír as axudas públicas á cooperación internacional (incluídas as destinadas ao Sahara Occidental). A maiores, o recente secuestro de cooperantes en Rabuni, é un novo golpe contra as actividades de cooperación humanitaria no Sahara Occidental.

Na nosa opinión, o movemento sindical podería, na medidas das súas posibilidades, considerar como prioritarias as actividades de cooperación no Sahara Occidental, tanto nos territorios ocupados como nos campamentos de refuxiados.

O movemento sindical ten tamén amplas posibilidades de romper o silencio mediatico e a desinformación que en maior ou menor medida están presentes nos nosos respectivos países. Páxinas web e prensa escrita propia, comunicados públicos... poden axudar a romper ese muro de silencio que é unha das mellores armas da potencia ocupante. FALEN DE NÓS, ouvimos repetidamente en anteriores intervencións; o movemento sindical ten aquí un importante espazo de solidariedade co pobo saharaui.

Iniciativas como as misións sindicais internacionais aos territorios ocupados poderían ser intensificadas, periodificando a súa realización. É unha extraordinaria vía para axudar a romper parte do muro de silencio, mas é tamén un apoio directo e humano, sindical e político aos compañeiros e compañeiras que loitan día a día en condicións de extrema dureza e asumindo inmensos riscos persoais.

A Conferencia Internacional do Traballo, que se celebra anualmente na cidade de Xenevra, é tamén unha ocasión de ouro para o desenvolvemento de iniciativas a prol da causa saharui. Iniciativas como a realizada hai un par de anos, abortada pola intransixencia, a bravuconería,  e a má educación proprias dos invasores, colonizadores e ocupantes marroquis, poderían ser retomadas, instando a propria institución (a OIT no seu conxunto, ou a mesma ACTRAV) a garantir e/ou mesmo patrocinar ou copatrocinar estas actividades en paralelo á Conferencia Internacional do Traballo.

O movemento sindical, en fin, pode desempeñar un papel relevante fronte, e ao lado, das organizacións sociais e políticas no esforzo de manter na sociedade a tensión social a prol da causa saharui, mas tamén provocando posicionamentos, declaracións e acordos institucionais, impedindo o seu esquecemeto mediático ou a marxinalización política.

Os saharauis non alcanzarán a soberanía polas actividade de apoio e solidariedade das organizacións sindicais e sociais, mais as nosas actividades son necesarias, eu diría mesmo imprescindíbeis, para que as iniciativas políticas necesarias que poñan fin a ocupación colonial se leven a cabo máis cedo que tarde.

Amigos e camaradas, teño a certeza de que as organizacións aquí presentes, acompañaremos aos traballadores e traballadoras saharuis cando  desfilen polas rúas d’O Aaiún nas celebracións do 1º de maio nun Sahara Occidental libre, independente e soberano.

Xesús Ramón GONZÁLEZ BOÁN

CIG – Relacións Internacionais e Cooperación

V Encontro Sindical Internacional en Solidariedade cos Traballadores e o Povo Saharaui.

Lisboa, 27 de outubro de 2011

 

Anexo II – Declaración final da Conferencia

DECLARAÇÃO DA 5.ª CONFERÊNCIA SINDICAL INTERNACIONAL DE SOLIDARIEDADE COM OS TRABALHADORES E O POVO SAHARAUI

  As organizações sindicais, de vários continentes, presentes na 5ª Conferência, realizada nos dias 27 e 28 de outubro de 2011, em Lisboa, Portugal, tornam pública a sua profunda preocupação pela situação dos trabalhadores e trabalhadoras saharauis, bem como a sua condenação pela repressão do povo saharaui nos territórios ocupados.

As organizações sindicais presentes acompanham, há muitos anos, a difícil situação do Povo Saharaui através de múltiplas presenças, visitas e missões sindicais e humanitárias aos territórios ocupados e aos acampamentos de refugiados. Iniciativas que têm permitido constatar a flagrante ilegalidade da ocupação marroquina, bem como as consequências dramáticas dessa ocupação nas condições de vida, trabalho e saúde da população saharaui.

Num momento em que se desenvolvem nos países do Médio Oriente e do Norte de África movimentos e processos de luta pela democracia, não podemos esquecer que, já em finais de 2010, o povo saharaui deu mostras dos seus anseios de liberdade e democracia, como se evidenciou na situação do acampamento de Gdeim Izik, violentamente desmantelado por Marrocos.

Neste contexto, as organizações sindicais presentes decidem:

  1. No plano político, condenar, energicamente, a atuação do Reino de Marrocos e das suas forças de segurança, que continuam a violar, de forma sistemática, os mais elementares direitos humanos. Um exemplo recente foi a repressão levada a cabo pelas forças de segurança marroquinas, juntamente com os colonos marroquinos, em Dahla, contra a população saharaui. Exigir uma investigação judicial independente ao desmantelamento do acampamento de Gdeim Izik, aos assassinatos e a outros actos de repressão contra a população saharaui.
  1. Exigir que Marrocos cesse de imediato todas as hostilidades contra a população saharaui e que cumpra, escrupulosamente, a legalidade internacional e as Resoluções da Nações Unidas, bem como a Resolução do Parlamento Europeu.
  1. Exigir às autoridades marroquinas a abertura das fronteiras dos territórios ocupados de forma a permitir a livre entrada e circulação de todos os sindicalistas, jornalistas, observadores e organizações internacionais, a fim de tomarem conhecimento direto de uma realidade por muitos desconhecida, sobretudo no que respeita à violação dos mais elementares direitos humanos.
  1. Solicitar às Nações Unidas que atribuam as competências necessárias à Missão da ONU para o Sahara Ocidental (MINURSO), para que possa efetuar um rigoroso controlo e vigilância do respeito dos direitos humanos em todo o território do Sahara Ocidental.
  1. Exigir à União Europeia que suspenda, de imediato, o Acordo de Estatuto Avançado com Marrocos e que não sejam renovados os acordos sobre recursos naturais (entre outros, os relativos à pesca), pois estes recursos pertencem exclusivamente ao povo Saharaui. Apelar aos sindicatos dos países da União Europeia para que pressionem os seus governos neste sentido, chamando a atenção para a responsabilidade muito particular do Estado Espanhol, enquanto potência administrante num processo de descolonização inconcluído.
  1. Exigir a plena aplicação dos direitos estabelecidos na Carta dos Direitos Humanos e nas Convenções Internacionais para todos os que trabalham no Sahara Ocidental, para que as organizações internacionais e nacionais promovam uma ação solidária e urgente. No quadro da ONU, solicitar uma maior e mais continuada ajuda do Alto Comissariado para os Refugiados e no quadro europeu, uma intervenção mais estruturada, ampla e determinada da União para o Mediterrãneo (UPM) no urgente apoio humanitário ao povo saharaui e na busca de uma solução pacífica para o conflito.
  1. Reafirmar o seu compromisso de procurar uma solução negociada e pacífica para o conflito, que permita a autodeterminação do povo saharaui e para que termine uma das últimas situações coloniais no mundo, em pleno século XXI. Por isso, saúdam a posição responsável, aberta e dialogante da Frente Polisário, que, há muito anos, decretou um cessar fogo unilateral, infelizmente nunca até hoje correspondido com qualquer gesto de boa vontade do governo de Marrocos
  1. Reiterar o seu inequívoco apoio e solidariedade à justa luta do Povo saharaui pelos seus direitos políticos, sociais e laborais, que só podem ser livremente exercidos num contexto de liberdade e autodeterminação, direitos expressamente contidos nas Resoluções da ONU sobre o Sahara Ocidental.

 

  1. Manifestar, no plano sindical, o seu incondicional apoio e fraterna solidariedade à UGTSARIO, central sindical que legitimamente representa os trabalhadores e trabalhadoras saharauis.

Comprometem-se, neste sentido:

- A incrementar a solidariedade ativa e concreta à UGTSARIO, aos activistas sindicais saharauis e às estruturas sindicais  expressamente proibidas nos territórios ocupados, para o seu reforço, capacitação e intervenção a favor da criação de trabalho digno e da protecção dos direitos laborais.

- A fomentar a visibilidade da causa saharaui e, especialmente, da UGTSARIO, nos seus respetivos países, sensibilizando também as organizações sindicais nacionais, regionais e mundiais em que se encontram filiadas ou em cujas acções participam.

- A envidar esforços para a realização de uma reunião com os diferentes grupos do Parlamento Europeu, para que se concretize uma iniciativa europeia em apoio e solidariedade ao Povo Saharaui.

- A promover ativamente a aplicação prática das Convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT) nos territórios Saharauis ocupados.

- A manter o envio de missões sindicais aos territórios ocupados, numa perspetiva de reforço da solidariedade sindical e da luta pela garantia dos direitos políticos, sociais e laborais dos trabalhadores e trabalhadoras saharauis.

- A realizar a 6ª Conferência Sindical Internacional de Solidariedade com os Trabalhadores e Trabalhadoras Saharauis e o Povo Saharaui, em finais de 2013.

Os participantes na Conferência condenam o sequestro de três cooperantes, ocorrido em 22 e 23 de outubro, nos acampamentos de Tinduf.

Lisboa, 28 de outubro de 2011

Os participantes

v     Angola: UNTA

v     Brasil: CUT

v     Chipre: PEO

v     Estado español: CCOO, CI, UGT, USO

v     Euskal Herría: ELA

v     Francia: CGT

v     Galiza: CIG

v     Italia: CGIL

v     Portugal: CGTP/IN, UGT

v     Reino Unido: TUC

v     Sahara Occidental: UGTSARIO

v     Senegal: CNTS

1