Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
Artigos de opinión
Na Venezuela, a tentação do golpe de Estado
22/04/2014Alexander Main
Os venezuelanos têm bons motivos para exprimir seu descontentamento diante de um poder que sofre para transformar as estruturas do país (aparelho ...
Economia estagnada, finança próspera
22/04/2014Costas Lapavitsas
Há políticas que podiam melhorar coisas no curto prazo, incluindo regulamentação do sistema financeiro, redistribuição do rendimento e da riqu...
Estado español: A fraude das pensións privadas
22/04/2014Vicenç Navarro
Os pensionistas privados están claramente desprotexidos fronte ao capital financeiro e os seus xestores. E para complicar máis as cousas, este cap...
Estado español: De reformas fiscais e concertación social
07/04/2014Albert Recio Andreu
Apostar por rebaixas fiscais, como suxire o goberno, é continuar o vieiro da demolición de dereitos sociais, impedir unha restruturación profund...
O nó gordiano da esquerda
07/04/2014Emir Sader
Nas economías de mercado, o Estado, para implementar políticas de redistribución do ingreso, como contrapeso dos mecanismos de concentración do ...
Estados Unidos
20091013_iran.ahmadinejad.onu.jpg
O Irão está de volta à ribalta da diplomacia pública. O presidente Obama, junto com o primeiro-ministro Gordon Brown do Reino Unido e com o presidente Nicolas Sarkozy de França, realizou uma conferência de imprensa na qual pareceu dar ao Irão mais um ultimato: ou aceita as suas exigências, às quais chamou de exigências da "comunidade internacional", em Dezembro deste ano, ou e...
13/10/2009 Howard Zinn // Esquerda
20091013_obama.nobel.prensa.jpg
As pessoas deviam receber um prémio de paz não com base em promessas feitas - como no caso de Obama, um eloquente fabricante de promessas - mas com base em feitos reais para acabar com guerras, e Obama continuou as acções militares mortíferas e desumanas no Iraque, no Afeganistão e no Paquistão. Fiquei consternado quando ouvi que Barack Obama tinha ganho o Prémio Nobel da Paz. F...
9/10/2009 Jorge Cadima // Avante
Os eleitores irlandeses - forçados a repetir o único referendo que a UE não conseguiu evitar e em que corajosamente chumbaram o Tratado de Lisboa – foram agora sujeitos a uma campanha em várias frentes para disciplinar o seu voto. Por um lado, receberam cenouras: as promessas de que podem manter a neutralidade do país e que continuará a haver um comissário europeu irlandês. Por outro la...
5/10/2009 Juan Gelman // Página 12
Para quen goberna Obama? Semanas antes da reunión do G-20 declarou nunha entrevista que Gandhi era o seu heroe. Difícil. É imposíbel pensar que o líder indio aprobase o investimento de 700.000 millóns de dólares nas guerras de Iraq e Afganistán no ano fiscal 2009/10, monto que non inclúe os gastos de seguridade interior e dos servizos de intelixencia. O envío previsto de máis efectivos...
24/9/2009 Eva Golinger // Vermelho
O estabelecimento das bases militares na Colômbia é uma reação ao fato dos Estados Unidos terem perdido sua posição militar noutros países. Equador desativou a base em Manta, que dava aos E.U.A grande capacidade de vigilância aérea na região. Paraguai era uma espécie de base militar estadunidense, e isso já acabou. - Agora, com um presidente supostamente progressista na Casa Bra...
22/9/2009 Atilio A. Boron
20090922_zelaya.honduras.jpg
Zelaya xa está en Tegucigalpa e o seu ingreso a Honduras, burlando as “medidas de seguridade” instaladas ao longo da fronteira, debería marcar o comezo da fin do réxime golpista. Son varias as razóns que fundamentan esta esperanza, que sucintamente se expoñen a seguir. Primeiro, porque os gorilas hondureños e os seus instigadores e protectores en Estados Unidos (principalmente no ...
20090922_militarismo.treboada.jpg
Neste “universo em expansão” que nasceu na Europa, nunca houve nem haverá “paz perpétua”, nem “sistemas políticos internacionais” estáveis. Porque se trata de um “universo” que necessita da preparação para a guerra e das crises para se ordenar e se “estabilizar”. Foram quase sempre essas guerras e essas crises que abriram os caminhos da inovação e do “progresso”. ...
Engadir ao calendario
cig.prensa@galizacig.com