Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
Artigos de opinión
A anulação da dívida alemã em 1953
19/08/2014Éric Toussaint
A injustiça com que o povo grego é tratado (assim como outros povos cujas autoridades seguem as recomendações da troika) deve despertar a consci...
O caso da dívida argentina
18/08/2014Prabhat Patnaik
que esta sentença faz é tornar impossível no futuro qualquer reestruturação de dívida. Mesmo que a esmagadora maioria dos credores esteja des...
Império na ofensiva
18/08/2014Igor Fuser
Na América Latina, o imperialismo se encontra em plena ofensiva para destruir o campo político progressista que tem como expressões mais importan...
O genocídio israelense e seus cúmplices prestativos
14/08/2014James Petras
A guerra total de Israel contra Gaza provocou a condenação de milhões de pessoas por todo o mundo, o maior ultraje pelos seus crimes contra a hum...
Ainda o poder do financismo
14/08/2014Paulo Kliass
A transformação ocorrida nos países do antigo socialismo e a consolidação da hegemonia do ideário neoliberal permitiram a cristalização do ...
O mito das clases medias
13/08/2014Vicenç Navarro
O poder e a finança internacional
12/08/2014José Luís Fiori
Arxentina no imperio dos voitres
08/08/2014Juan Torres López
Alemaña
19/8/2014 Éric Toussaint // CADTM
A injustiça com que o povo grego é tratado (assim como outros povos cujas autoridades seguem as recomendações da troika) deve despertar a consciência de parte da opinião pública. Mas não tenhamos ilusões, as razões que levaram as potências ocidentais a tratarem a Alemanha Ocidental como trataram, depois da Segunda Guerra Mundial, não se colocam no caso da Grécia Os Estados Unidos pro...
17/10/2013 Albert Recio Andreu
Alemaña non impera en Europa no baleiro. A súa hexemonía non sería posíbel se non contase con firmes alianzas entre as capas dirixentes do resto de países. Á fin e ao cabo, a xibarización do sector público, o debilitamento dos dereitos laborais e a xestión autocrática da sociedade estiveron presentes nas orientacións das elites económicas.  I  A vitoria electoral de Merkel...
7/10/2013 Roberto Savio
As recentes eleições alemãs borraram as fronteiras entre norte e sul da Europa. Ao longo dos últimos três anos, todo o mundo parecia olhar apenas para a crise na Grécia, seguida pela da Irlanda, de Portugal; pelo declínio da França, a estagnação da Espanha e a falta de governabilidade na Itália. Poucos perceberam que a Holanda (quinta economia da zona do euro) foi obrigada a admitir que...
4/10/2013 Anxo Noceda
20131004_Alemanha.jpeg
O Goberno de Angela Merkel non foi/é máis que o lapis co que os poderes económico-financeiros da Europa están a redactar baixo que normas e ritmos se vai producir de xeito permanente e continuo a espoliación da clase traballadora e das clases populares para seguir a acumular a riqueza nos seus exclusivos petos, á vez que o papel dos medios de comunicación non é outro que o de ser os fieis ...
20130618_protesta.anti-merkel.jpg
A escala planetaria, as demais grandes economías, Estados Unidos e Xapón, volveron ao crecemento mentres a UE segue sumida na recesión. Por iso é polo que se cuestiona máis que nunca a “solución única” alemá, baseada na austeridade. Berlín só cre na redución dos déficits orzamentarios, na disminución da débeda soberana e, sobre todo, na reforma laboral.  A devastadora auste...
4/6/2013 Heinz Bierbaum // Esquerda
A política da Merkel visa os bancos alemães, a indústria alemã e os ricos. Apesar de a população alemã, quando comparado com os países do sul da Europa, ter uma qualidade de vida superior, é importante não esquecer que a política de Angela Merkel aumentou o fosso social na Alemanha.  A Europa encontra-se, sem dúvida, a atravessar a sua pior crise. As políticas de austeridade que...
29/5/2013 Thomas Sablowski // Esquerda
Já na era fordista, o capitalismo alemão caracterizava-se por uma forma de desenvolvimento fortemente orientado para a exportação. Mas ao contrário de outros países orientados para a exportação, como a Itália, a indústria de exportação alemã nunca teve de se refugiar na desvalorização da moeda nacional, para defender a sua capacidade competitiva.  Na divisão internacional do ...
Engadir ao calendario
cig.prensa@galizacig.com