Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
Artigos de opinión
As ajudas massivas dos bancos centrais aos grandes bancos privados
29/08/2014Éric Toussaint
A partir de 2007, os governos e os bancos centrais dos países ocidentais mais industrializados, mergulhados na maior crise económica desde os anos...
Ucrânia: derrota e perspectiva
29/08/2014Jacques Sapir
A insurreição não será esmagada militarmente. Deste ponto de vista, a insurreição venceu. Kiev não dispõe mais de reservas suficientes para...
A fúria do Imperador: o caos tomará o mundo!
29/08/2014James Petras
Reina o caos em África, no Médio Oriente, na América Central e em Detroit. Toda a fronteira dos EUA com o México se tornou um centro militar de ...
Sete argumentos contra a Renda Básica Universal e a favor do Traballo Garantido
28/08/2014Eduardo Garzón Espinosa
Moito mellor que outorgarlle un ingreso fixo a todos os cidadáns é outorgarlle o dereito a traballar se así o desexan (se non o desexan ou non po...
A épidemia de ébola: Unha mostra máis da crise sistémica do capital
28/08/2014África Pineda
A epidemia de Ébola é unha mostra máis desta grave crise mundial do sistema capitalista que quere -e non pode- saír da lameira para seguir co co...
O novo futuro de Palestina
26/08/2014Txente Rekondo
Ofensiva global NATO
26/08/2014Manlio Dinucci
Ébola, o novo negocio das farmacéuticas
22/08/2014Marcos Roitman Rosenmann
Portugal
Os documentos da troika são insultos à dignidade do país e do seu povo. As políticas da troika são o programa das políticas de direita: Portugal ser um país cada vez mais subdesenvolvido. Os próprios avanços tecnológicos em certas atividades, subsistem na base com baixos salários e precariedade. Mesmo isto a troika acha que é demais. Se os povos da Europa não se levantarem, os bancos ...
20140425_25Abril_PT.JPG
Kissinger considerou a invasão de Portugal com o apoio da NATO, mas a social-democracia europeia (sobretudo alemã) opôs-se e propôs que, em vez de militares, viesse dinheiro, muito dinheiro, para fortalecer os partidos e os movimentos sociais que se opunham ao “modelo soviético”. Assim se fez e os resultados foram os esperados. Portugal ficou então em dívida para com os alemães e assim...
20140425_25Abril_neno.cartaz.JPG
As sementes de Abril germinarão após a sua longa hibernação. Os trabalhadores não esqueceram as prodigiosas conquistas da geração revolucionária, nos dias em que Álvaro Cunhal e Vasco Gonçalves - dois grandes portugueses do século XX - deram uma contribuição fundamental para o avanço da revolução democrática e nacional. Transcorreram 40 anos desde o 25 de Abril de 1974. O povo p...
25/4/2014 Zillah Branco // Avante
A Revolução de Abril estabeleceu que Portugal é um país independente e a sua autonomia deverá ser respeitada interna e externamente; que as suas riquezas naturais e construídas através da História pertencem ao povo; que o Estado tem o dever de apoiar o desenvolvimento das forças produtivas e gerir com competência a construção das infra-estruturas necessárias para que toda a populaçã...
25/4/2014 Albano Nunes // Avante
20140425_25Abril.jpg
Tal como em Portugal há 40 anos, estão em gestação numerosos processos de transformação progressista e revolucionária que mais cedo ou mais tarde surpreenderão o mundo. O 25 de Abril foi uma surpresa para o mundo. Quem havia de dizer que naquele pequeno país, atrasado, sujeito a uma velha ditadura protegida pela NATO, rodeado pelo Atlântico e pela Espanha franquista, havia de eclodir a ...
A troika impõe o seu "modelo", mas a nada se compromete: a procura externa mais lenta pode reduzir a contribuição para a recuperação, tal como os riscos deflacionários na Zona Euro (FMI p. 9). "As condições de mercado podem rapidamente deteriorar-se". Então para que é que serve o mercado, que raio de eficiência se garante com o "mercado"? "Os riscos de que os objetivos do programa não ...
É hoje evidente que a integração de Portugal na UEM e a adesão ao euro foram decisões erradas, com consequências devastadoras para o nosso país. Como é evidente que o futuro do País é inviável dentro do euro. Não devíamos ter entrado. Mas a saída, hoje, não nos leva ao ponto de partida. Afastada das manchetes dos jornais desde há largos meses, a crise do euro, e particularmente a ...
Engadir ao calendario
cig.prensa@galizacig.com