Portada
Temas
Confederal
Sectores
Entrevistas
Opinion
Multimedia
Contacta
 
 
Artigos de opinión
A anulação da dívida alemã em 1953
19/08/2014Éric Toussaint
A injustiça com que o povo grego é tratado (assim como outros povos cujas autoridades seguem as recomendações da troika) deve despertar a consci...
O caso da dívida argentina
18/08/2014Prabhat Patnaik
que esta sentença faz é tornar impossível no futuro qualquer reestruturação de dívida. Mesmo que a esmagadora maioria dos credores esteja des...
Império na ofensiva
18/08/2014Igor Fuser
Na América Latina, o imperialismo se encontra em plena ofensiva para destruir o campo político progressista que tem como expressões mais importan...
O genocídio israelense e seus cúmplices prestativos
14/08/2014James Petras
A guerra total de Israel contra Gaza provocou a condenação de milhões de pessoas por todo o mundo, o maior ultraje pelos seus crimes contra a hum...
Ainda o poder do financismo
14/08/2014Paulo Kliass
A transformação ocorrida nos países do antigo socialismo e a consolidação da hegemonia do ideário neoliberal permitiram a cristalização do ...
O mito das clases medias
13/08/2014Vicenç Navarro
O poder e a finança internacional
12/08/2014José Luís Fiori
Arxentina no imperio dos voitres
08/08/2014Juan Torres López
Oriente
20110214_fsm2011-dakar.jpg
Vista do Fórum Social Mundial, a crise do Norte de África significa o colapso da segunda fronteira da Europa desenvolvida. A primeira é constituída pela Grécia, Portugal, Espanha e Irlanda. Com as duas fronteiras em crise, o centro torna-se frágil.  Está a realizar-se em Dakar o XI Fórum Social Mundial (FSM). É a segunda vez que se reúne em África (a primeira foi em 2007, em Nairo...
No início da revolução iraniana em 1979, havia intenso apoio das potências capitalistas aos movimentos radicais islâmicos em todo o grande Oriente Médio e Ásia Central com o intuito de provocar aquilo que se convencionou chamar "arco de crise". O objetivo maior, claro, era atingir as regiões muçulmanas da União Soviética. De maneira análoga, pode-se dizer que, 32 anos depois, as revolt...
20110208_obama.rei-saudi.jpg
No mundo árabe, os Estados Unidos e seus aliados apoiaram com regularidade radicais islâmicos, às vezes para prevenir a ameaça de um nacionalismo secular. Um exemplo conhecido é a Arábia Saudita, centro ideológico do Islã radical (e do terrorismo islâmico). Outro em uma longa lista é Zia ul-Haq, favorito do ex-presidente Ronald Reagan e o mais brutal dos ditadores paquistaneses, que impl...
Engadir ao calendario
cig.prensa@galizacig.com